quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Rebeldia


Quando te senti
Sabia que por ti daria a minha vida.

Como se a vida te fugisse pelo meio dos dedos,
Tudo queres viver.


Adianta dizer que por aí encontrarás um caminho lamacento?

Não, não adianta. Tens que viver.

A minha mão está aqui. Na ponta tem um braço.
E um abraço.

8 comentários:

elvira carvalho disse...

Deus queira que a pessoa em questão veja esse braço estendido.
Um abraço amiga.

Paula Crespo disse...

Certo. Só os mortos não vivem. E viver tem muita água, inclusive a do choro. Faz parte da coisa.
É a primeira vez que por aqui passo mas agradaram-me as reflexões... :)

Pata Negra disse...

É o contrário, a mão é que deve estar na ponta do braço, para abanar uns carinhos e às vezes também dar uma estalada.
Um abraço com os olhos na ponta da cabeça

Oliva verde disse...

Pata Negra
A mão estará sempre disponível para afagar, apoiar e ajudar ao abraço! A cabeça, com olhos, coragem e perspicácia terá que estar disponível para adivinhar as necessidades!

gaivota disse...

precisa da mão, do braço, do abraço
de carinho, de mimos,
de viver!e não me alongo mais...
coragem e força
beijinhos

© efeneto disse...

Olá amigo/as.
Venho por este meio agradecer a todos aqueles que tiveram a amabilidade de por todas as vias me endereçaram as melhoras e tiveram a paciência de esperar. Aos poucos e na medida do possível irei retomar as publicações no “Grito” agora renovado e as visitas aos amigos.
Porque o tempo urge e a amizade espera, vou começar a colocar as visitas em dia.
Beijos a quem é de beijos e abraços aos restantes.
©efeneto

poetaeusou . . . disse...

*
o tacto
dos sentires
,
conchinhas
,
*

fj disse...

é sempre bom sentir isso dos amigos.
Um abraço tb.